Aviso:

Agora, a oficina online poesia feita de quê? possui um blog próprio http://poesiafeitadeque.blogspot.com/. Estão todos convidados: participem!

sábado, dezembro 08, 2007

Uma resenha de Lígia Dabul

E agora voltamos as publicações semanais. Hoje, como é costume após o lançamento, traremos uma outra faceta de uma poeta publicada na edição impressa do jornal. Temos o prazer de publicar uma resenha escrita pela poeta carioca Lígia Dabul para o livro tempo inteiro (Bem-Te-Vi, 2007) da também poeta Paula Padilha.


FINA TENSÃO NA POESIA
Lígia Dabul


O livro tempo inteiro é mais que a reunião de trinta belos poemas da poeta carioca Paula Padilha. Bem mais também que o desenvolvimento do tema que o título anuncia e vem explicitado e sugerido ao longo do livro todo. tempo inteiro é na verdade tom, tensão discreta e por isso eloqüente, que acompanha a leitura de cada poema e além: no desejo da volta ao texto, no reconhecimento do vestígio que fica dos seus versos. A poeta parece indicar essa permanência:

uma harmonia paralela
organiza o ritmo do passo
em busca do atalho fresco

primeira vibração
entre murmúrio e desejo

Paula Padilha não cede nunca aos feitos fáceis das palavras. Sua poesia conduz fluxos intensos de idéias, impressões, experiências, mas chega a resultados supostamente simples. O prazer do contato com seus poemas deve-se muito a essa aparência de transparência, à força sustentada por enorme leveza, produto do trabalho da poeta que tem tanto a dizer:

entre a primeira palavra
e a insubstituível
uma avenida intermediária

rascunho impermanente
por onde escolho enveredar
meu desalinho

olhar descalço (Rio de Janeiro, Editora da Palavra, 2001), seu primeiro livro, já oferecia leitura prazerosa de poemas sucintos, exatos, e elaborados com especial delicadeza. O leitor agora, em “fio”, “dentro” e “vidro”, as partes de tempo inteiro, vai reencontrar essa contundência escrita com a ponta mais que fina:

jamais pisei tão firme no exíguo
fio de prata estendido
sobre a natureza



Lígia Dabul nasceu e vive no Rio de Janeiro. Tem poemas publicados em revistas e jornais literários do Brasil e outros países, assim como o livro Som (Bem-Te-Vi, 2005). É antropóloga, professora e pesquisadora da Universidade Federal Fluminense. Faz pesquisas em Antropologia da Arte - publicou diversos trabalhos sobre o tema, dentre eles o livro Um percurso da pintura (EdUFF, 2001).

4 comentários:

Vick Martz disse...

Adoro o blog de vocês!

*0*

Muito bom o projeto!

Peri disse...

parabens mesmo
tenho visto pouca qualidade durante a maior parte do tempo em que procuro projetos do tipo e vi a excessão aqui. Muito bom mesmo!vocês podem mandar um banner pra eu colocar no meu blog

jonatastb@hotmail.com
o visitar o próprio
http://peri-doalem.blogspot.com/

Luciana Santos R. disse...

Oi gostei muito do blog de vcs e de saber da existência do Casulo.

Biblioteca Comunitária de Itu disse...

Prezados editores de O Casulo,
Desejamos a todos um excelente ano de 2008. Que o jornal aumente ainda mais sua tiragem e seu sucesso!
Continuem assim, vida longa a O Casulo!
Eduardo, você nos deixou com água na boca quando prometeu nos enviar 100 exemplares do jornal... desculpe-nos ficar cobrando, mas ainda não recebemos.
Abraço a todos.